Data da publicação: 09/02/2017 publicado por Vanessa Oliveira Lira

E-commerce: estratégias para fisgar e surpreender o cliente

Diante de um cenário econômico desafiador, o varejo brasileiro vem enfrentando uma queda nas vendas físicas, mas, por outro lado, comemora o crescimento das transações on-line.

De acordo com o SpendingPulse, indicador mensal de varejo da Mastercard, enquanto as vendas nas lojas caíram 3,2% em agosto em relação ao mesmo período do ano passado, o e-commerce avançou 11%. A ampliação do consumo e a chegada de novos e-shoppers (estima-se que nos próximos cinco anos, 27 milhões de pessoas vão comprar on-line pela primeira vez) farão com que o e-commerce dobre sua participação no faturamento do varejo até 2021.

o E-commerce cresceu 11% mesmo num cenário econômico desafiador

CONSUMIDOR: O CENTRO DE TUDO

Um dos segredos para garantir o sucesso dos negócios é, sem dúvida, estar atento às mudanças de comportamento do consumidor. Afinal, ele está no centro das principais decisões de um e-commerce.

Para ter sucesso, as empresas precisam, antes de mais nada, ser a solução para um problema do consumidor.

Levantamentos apontam que, até o fim deste ano, 19% das vendas do e-commerce deverão ocorrer em dispositivos móveis. E, nos próximos cinco anos, sua participação será de 41%. No Brasil, essa tendência já é bastante significativa, uma vez que boa parte do tráfego dos sites vem de smartphones e tablets. É o caso de grandes varejistas, como C&A (43%), Americanas (43%), Mercado Livre (41%), Submarino.com (40%), Magazine Luiza (38%) e Walmart (35%).

FISGAR, FIDELIZAR, RETER

Para reter o consumidor, é preciso não só tornar a experiência de compra agradável, como conhecer muito bem o cliente e saber como, de que forma e onde ele gasta. Ao cruzar os dados dos membros do seu programa de fidelidade com os gastos deles no cartão de crédito, uma grande companhia aérea descobriu, por exemplo, que a baixa fidelidade estava fazendo com que ela perdesse 400 milhões de dólares por ano. Nessa hora, é preciso contar com especialistas que possam avaliar o impacto do programa e verificar onde a empresa está falhando e como os membros podem ser recompensados de forma mais rápida. Hoje, o sucesso do varejo, seja em lojas físicas ou virtuais, dependem da tecnologia e da inteligência empregada por trás dela. Só assim é possível sair na frente da concorrência na corrida para fisgar, fidelizar, reter e conquistar cada vez mais novos clientes. E tudo isso sem perder o fôlego no caminho.

Em um mundo onde cada dispositivo do telefone para o refrigerador - está ligado à internet, as maneiras pelas quais os consumidores interagem e transacionam com suas marcas favoritas estão mudando”. Betty DeVita, CCO na Mastercard

CONCLUSÃO

O e-commerce deve dobrar sua participação no faturamento do varejo brasileiro nos próximos cinco anos. Para não perder oportunidades de negócio, é essencial que as empresas acompanhem de perto o comportamento do consumidor porque ele continuará mudando e, consequentemente, guiando novas mudanças. Os desafios são muitos, e a tecnologia é uma grande aliada nesse processo. Já existem, no Brasil, soluções de alto desempenho capazes de atender às exigências dos consumidores e de turbinar as vendas on-line – muitas delas oferecidas pela Si14. Num cenário competitivo, vale lembrar: a fidelização é conquistada pela soma de facilidades, como múltiplos canais de venda, programas de fidelidade e tecnologias de pagamento que tornem a experiência de compra cada vez mais ágil, segura e intuitiva.


Fontes: Forrester Data Custom Web-Influenced and Online Retail Forecast, 2016 to 2021 (Brazil). IBGE , Omnishopper Brazil, 2017 , SimilarWeb - Julho de 2016, The 2015 Colloquy Loyalty Census, Mastercard